Telemedicina e inovação para tratamento de sífilis são temas de palestra no 7º CIMES

Talk show “Onde estamos com a tecnologia” será realizado na tarde de
22 de agosto e recebe especialistas do LAIS, da APM e de hospitais de referência

Agendado para a tarde do dia 22 de agosto durante o 7º CIMES (Congresso de Inovação de Materiais e Equipamentos para Saúde), o talk show “Onde estamos com a tecnologia” trará cases de sucesso de líderes do segmento. Dentre os assuntos que serão apresentados, destaque para o projeto de resposta rápida à sífilis, coordenado pelo LAIS (Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde), e a inserção da telemedicina no sistema de saúde brasileiro.

Considerando que, na última década, os casos de sífilis cresceram aproximadamente 5.000% no Brasil, segundo dados oficiais do governo, uma parceria entre o LAIS, o Ministério da Saúde e a OPAS (Organização Pan-americana de Saúde) vem trabalhando para reduzir o impacto da enfermidade no país. Denominado Resposta Rápida à Sífilis, o projeto que será apresentado durante o CIMES atende, a princípio, 100 municípios brasileiros com um trabalho direcionado à redução dos casos de sífilis congênita, sífilis em gestantes e da sífilis em adultos.

“Os eixos do projeto preveem ações importantes. A primeira delas de diagnóstico, a segunda de vigilância, a terceira de tratamento e a quarta para pesquisa e comunicação”, comenta Ricardo Valentim, coordenador do LAIS que explica que há, também, a ideia de implementação de uma rede de resposta rápida à doença que, com monitoramento, controle e combate, torna-se uma ferramenta tecnológica fundamental para os gestores e profissionais de saúde terem acesso às informações, aumentando a eficiência das ações de resposta.

Partindo para o setor de telemedicina, a palestra contará com a apresentação do professor Jefferson Gomes Fernandes, consultor e membro da Associação Paulista de Medicina. Apresentando algumas das mais recentes experiências brasileiras, o especialista abordará a telemedicina e a telessaúde, que envolve o uso das tecnologias de informação e comunicação nos cuidados aos pacientes e na interação entre os profissionais do setor.

Para ele, o Brasil ainda tem um longo caminho para inovar neste segmento. “Dentro da área de telemedicina ainda estamos distantes da oferta de tecnologia existentes nos países de economia avançada. Temos uma limitação da oferta desses serviços tanto em questões normativas dos conselhos profissionais quanto pela timidez do uso pelos provedores e operadoras de saúde, com algumas importantes exceções”, comenta.

Fernandes aponta algumas vantagens da inserção pragmática da telemedicina no sistema de saúde brasileiro: “como benefícios já demonstrados em vários países temos o aumento do acesso aos serviços de saúde, o incremento da resolubilidade dos problemas, e a redução dos custos do sistema”.

Pensando na aplicação deste tipo de tecnologia em hospitais, Fernandes aponta um distanciamento considerável. “São muito poucos os hospitais que buscam essa interação. A grande maioria ainda está focada em sua atividade assistencial, principalmente no aspecto curativo dos cuidados à saúde. Temos uma enorme necessidade de mais hospitais, tanto públicos quanto privados, desenvolverem áreas de educação, pesquisa e inovação. Isso depende de uma mudança de cultura que precisa incluir a construção de cooperações e parcerias com a indústria tecnológica”, frisa.

O tema poderá ser debatido de forma bastante aprofundada, pois além de Valentim, do LAIS, e de Fernandes, da APM, estarão presentes José Cláudio Terra, diretor de inovação do Hospital Albert Einstein; Luiz Fernando Lima Reis, diretor de ensino e pesquisa do Hospital Sírio Libanês; e André Luiz Baptiston Nunes, diretor do Grupo Imed. O talk show será moderado por Dirceu Barbano, diretor da B2CD e ex-presidente da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e está previsto para iniciar às 16h do dia 22 de agosto. Clique AQUI para conferir a programação completa desta edição do CIMES.